O mundo necessitado – Vitória Mandira Pereira – 7º ano C

O mundo necessitado – Vitória Mandira Pereira – 7º ano C
1 de fevereiro de 2018 Escola Cristã Jundiaí

 

O mundo necessitado

Vitória Mandira Pereira

 

Um dia, um humilde menino chamado Pedro voltava do seu árduo trabalho nas populares e movimentadas ruas da Grande São Paulo. Ele estava muito cansado por correr o dia todo limpando vidros de carro para ganhar alguns trocadinhos para sua pobre família. Seu pai ficara desempregado há alguns meses e sua mãe fazia vestidos para ajudar na casa.

Pedro e sua família haviam ficado no sinal vermelho, não tinham dinheiro nem mesmo para comprar comida. A situação estava realmente desfavorável para eles.

O garoto entrava em um beco de uma das regiões mais perigosas da cidade quando viu algo muito brilhoso, que se sobressaia entre os sacos de lixo do caminho. Por ser algo tão resplandecente e fácil de ser avistado, o menino foi ver o que era.

Quando pegou o objeto, era uma garrafa! Mas não uma garrafa comum, ela era reluzente, esplêndida, com várias pedrinhas. Poderia ser confundida com algo mágico, não é? Com sua inocência e ingenuidade de criança, o menino resolveu abrir a garrafa, na esperança de ter um gênio. É igual ao Alladin, ele pensou.

Resolveu abrir a garrafa em outro lugar, pois ali era muito sujo e ele tinha mais chances de ser roubado. Escolheu então abrir a garrafa em casa e depois contar a sua família. No caminho ele ia pensando nos desejos, mas estava superconfuso, pois precisava de muita coisa.

O segundo desejo era paz mundial. Algo que ele dominava eram as brigas e guerras entre as pessoas. Ele queria que acabassem a tristeza no mundo e a destruição de tantos lares. É o pedido perfeito, não é?

O terceiro desejo seria nunca mais ver ninguém do mundo passando por necessidades, ele sabia bem como era isso, e não queria ver mais ninguém passando por essa triste situação. Ele iria mudar o mundo.

Chegou em casa e, finalmente, abriu a estranha garrafa, mas nada saiu. Ficou muito triste, mas não perdeu as esperanças. Mostrou o objeto aos seus pais, eles disseram que aquilo era vida real e não conto de fadas. Mas a intenção dele era boa!
Realmente, não tinha gênio, nem três desejos, mas sim um mundo necessitado, com pessoas passando fome e tristeza. Se nos uníssemos faríamos um mundo melhor. Onde estará esse menino agora? Limpando vidros de carros em São Paulo e perdendo sua infância?

 

Escola Cristã Jundiaí