Como anda sua Conta Bancária? – Melhores Práticas – 6º ano A e C

Como anda sua Conta Bancária? – Melhores Práticas – 6º ano A e C
3 de novembro de 2019 Escola Cristã Jundiaí

Melhores Práticas

Durante o 3º bimestre, nas aulas de Valores para a Vida, os alunos do 6º ano A e do 6º ano C refletiram e aprofundaram seus conhecimentos sobre o Hábito 4: “Pense Ganha-Ganha”, do programa Líder em Mim.

Entre outras coisas a turma concluiu que é necessário mudar a forma de ver, ou seja, o paradigma pessoal, para que a atitude “Ganha-Ganha” ocorra. Além disso perceberam que algumas atitudes precisam ser cultivadas e promovidas entre as pessoas, como pequenos atos de gentileza, ser solícito, cumprir compromissos, ter coragem para expor as ideias e consideração para ouvir com respeito as colocações das outras pessoas.

Essas são valiosas atitudes que, por menores que sejam, quando feitas com honestidade e frequência geram confiança e credibilidade. Esse é o princípio da conta bancária de relacionamentos. De pouco em pouco, atitudes positivas vão criando um saldo positivo. Relacionamentos fortes e saudáveis são resultados de depósitos feitos ao longo do tempo, assim como as atitudes contrárias são retiradas.

Pensando em tudo isso, as turmas aceitaram prontamente a proposta feita pela professora Maricelma Martins Silva, que sugeriu aos alunos que se observassem mais atentamente e começassem a notar características, atitudes e qualidades uns dos outros, a fim de autenticar os colegas. As observações deveriam ser anotadas em forma de bilhetes que seriam colocados semanalmente em envelopes pessoais na sala de aula.

E assim ocorreu e ocorrerá até o final do 4º bimestre. A cada semana, cada aluno, sigilosamente, observa alguns colegas, em torno de dois ou três, escreve um bilhete para cada um com as impressões que pôde notar durante o tempo de observação e deposita-os no envelope que fica na sala de aula.

O dia da aula de Valores é o mais esperado! Dia em que rostos brilham com largos sorrisos e bochechas ficam coradas com surpreendentes palavras de colegas que jamais esperavam ter sido notadas. Atitudes que, até então, passavam como despercebidas, qualidades que ficavam escondidas atrás do “Você é legal”, ou que simplesmente não eram ditas, começam a ganhar nome e valorização. Dessa forma os alunos estão exercitando o elogio, autenticando um aspecto positivo, valorizando as diferenças, apurando a sensibilidade, estabelecendo e estreitando laços de amizade e até resolvendo conflitos.

Vale, ao término deste, uma reflexão para o leitor: Há quanto tempo você não exercita o elogio? Há quanto tempo não elogia alguém, ou não é elogiado? Que esse exemplo possa levar outras pessoas a serem promotoras de depósitos nas contas bancárias daqueles com os quais convivem.

 

Escola Cristã Jundiaí