Boas lembranças

Boas lembranças
25 de maio de 2017 Laura Silva Antunes

Fui visitar meus pais em minha cidade natal e, quanto cheguei, recebi a triste notícia de que a ferrovia em que eu passei a infância brincando foi desativada.

Eu me lembro que podia vê-la da janela do meu quarto, de onde agora só vejo um local abandonado, cheio de plantas crescendo desordenadamente por todos os cantos, inclusive ao redor do antigo trem, agora caindo aos pedaços, que eu chamava de “Budy”, por ter as letras b, d e y gravadas em sua porta.

A ferrovia era também a única lembrança que eu tinha de meu avô Augusto, que morrera quanto eu tinha quinze anos. Ele costumava me levar todos os sábados para tomar sorvete na cidade vizinha, o que eu amava fazer e esperava ansiosamente a semana acabar para poder voltar a andar no “Budy” até a sorveteria.

Ela era grande ponto de encontro para os vendedores de doces, que meus pais e meu avô compravam para mim. Também era onde eu e meus amigos de infância nos encontrávamos para brincar e empinar pipas.

Eu tenho muitas boas lembranças dessa ferrovia com minha família e amigos, porém agora ninguém mais poderá ter lembranças como as minhas e eu sei que sentirei saudades.

– Laura Silva Antunes

Laura Silva Antunes